Osteoartrite (Artrose)

borda

As articulações, ou “juntas”, são o local de encontro entre dois ossos que se articulam, e entre eles existe uma estrutura de cartilagem que tem como função diminuir o atrito entre os ossos e absorver o impacto entre eles durante os movimentos.


A articulação também é preenchida por uma quantidade mínima de líquido (líquido sinovial) que facilita o deslizamento dessas estruturas, e, na maioria das vezes, é envolvida por uma membrana (membrana sinovial), e pela capsula articular.


Outras estruturas podem estar presentes nas articulações, como os meniscos, ligamentos e tendões, que atuam na funcionalidade mecânica da articulação.




O que é a Osteoartrite

borda

A osteoartrite (artrose), é uma doença em que ocorre, inicialmente, a destruição da cartilagem das articulações e assim ocasionando um desequilíbrio articular que começa a gerar sobrecarga mecânica nos ossos, tendões e ligamentos envolvidos.


O diagnóstico da artrite reumatoide nunca pode ser feito baseado apenas em um exame laboratorial alterado, como a positividade do fator reumatoide, pois não existe um “teste confirmatório” desta doença.


Se não for tratada adequadamente pode culminar numa remodelação articular com alterações degenerativas irreversíveis dos tendões, ligamentos, meniscos e cartilagens envolvidos. Essas alterações também atingem os ossos e acabam formando os osteófitos, conhecidos, popularmente, como “bicos de papagaio”.


A destruição, ou “desgaste” da cartilagem pode ser decorrente de um processo degenerativo, causado pelo próprio envelhecimento, por sobrecarga mecânica da articulação e das estruturas envolvidas, como nos obesos e atletas, ou por alterações de biomecânica articular, como nos casos de deformidades congênitas ou adquiridas. A predisposição genética também é um fator importante no desenvolvimento da artrose.


A osteoartrite (artrose) causa sintomas como rigidez articular ao iniciar o movimento, principalmente após repouso prolongado. Pode causar dor, estalos, sensação de instabilidade articular, e limitar a realização de movimentos. Em alguns casos pode haver crises de dor, inchaço da articulação e calor no local, principalmente após esforço físico com sobrecarga articular.


A osteoartrite é mais frequente nas mulheres, e nelas, ocorre principalmente nas mãos e joelhos. Já nos homens, as articulações mais acometidas pela artrose são as coxofemurais (ligação da coxa com o quadril).


A osteoartrite (artrose) é a doença reumatológica mais frequente na população, e é o principal motivo de consultas com reumatologista.


A sua frequência aumenta com ao idade, em geral so aparece após os 40 anos mas é mais frequente após os 60 anos de idade. Após os 75 anos, cerca de 85% das pessoas têm a doença, mas apenas alguns destes, cerca de 30-50%, apresentam dor crônica.


O tratamento da osteoartrite (ou artrose) consiste em medidas farmacológicas e medidas não-farmacológicas, com igual importância no sucesso do alívio dos sintomas.


O tratamento não farmacológico inclui tratamentos térmicos, fisioterapia, atividade física regular sob orientação profissional, perda de peso, terapia ocupacional e medidas de proteção articular.

Atividade Física e a Osteoartrite

borda

Quando falamos em atividade física como parte do tratamento da osteoartrite, muitas dúvidas surgem, principalmente pelo motivo da osteoartrite poder ser consequência da própria prática de exercícios físicos.


O que devemos saber, é que o movimento da articulação é fundamental para mantê-la funcionante e saudável, pois o movimento participa do mecanismo de nutrição da cartilagem.


A inatividade articular pode acelerar a destruição da cartilagem e causar atrofia muscular local. No entanto, a prática de atividade física de alto impacto, ou com movimentos repetitivos e de forma a sobrecarregar as articulações pode causar trauma ou danos a articulações e estruturas próximas e assim favorecer o desenvolvimento da osteoartrite.


A atividade física habitual, realizada dentro dos limites saudáveis e fisiológicos, para idade e capacidade de cada um, não aumenta o risco de artrose, pelo contrário, contribui para o controle de dor e evita a progressão da doença nos pacientes já com a doença estabelecida.


Além de ter influência sobre o estado psicológico, melhora na qualidade do sono, estado geral de saúde, controle de peso e redução do uso de medicamentos.


A prática de atividade física deve ser sempre orientada por um profissional e deve respeitar as limitações físicas que o indivíduo possa apresentar, para não sobrecarregar nenhuma estrutura articular e assim ocasionar a osteoartrite ou acelerar a sua progressão.


Por este motivo, se você possui osteoartrite ou outra doença reumatológica, consulte sempre o seu reumatologista antes de iniciar a prática de atividade física para que ele indique as melhores opções de exercícios para cada caso.


O tratamento farmacológico inclui medicações condroprotetoras, analgésicos e anti-inflamatórios. Em alguns casos pode ser necessária a infiltração articular com glicocorticoides ou viscossuplementos ou até mesmo o tratamento cirúrgico para correção de lesões ou colocação de próteses articulares.


Dieta para a Osteoartrite

borda

Quanto à dieta especifica para a osteoartrite, o mais importante é manter uma dieta em que a finalidade seja manter ou perder peso nos casos de sobrepeso ou obesidade.


A perda de peso é importante como prevenção de osteoartrite e também e parte muito importante do tratamento naqueles indivíduos já com a doença estabelecida.


Qualquer redução de peso já é benéfica, pois o alivio dos sintomas já pode ser percebido com pequenas perdas ponderais.